Bio Center
Pax união
virtexXX
Opinião

O Piscinão do Visconde

Por Carlos Rubem

03/01/2022 21h10Atualizado há 3 semanas
Por: Da Redação

Por Carlos Rubem

 

Passei as festividades do Ano Novo em Teresina. Ontem (02.01.2022), fui a Oeiras, levar o meu neto, o infante Joaquim Miguel, onde moramos, que veio, às pressas, no SAMU Avançado, à Capital, na antevéspera do réveillon, submeter-se a tratamento de saúde, vomitava muito. Afastada a suspeita de diabetes, meningite, broncopneumonia. Foi acometido de severa sinusite.

Acordei-me manhã cedo, hoje. Retomei a leitura do livro “Marcas que marcam”, substancioso relato do publicitário Silvio Leite. Abatia sobre a cidade torrencial chuva atingindo mais  de 100ml, certamente. Algumas avarias constatadas. 

Chamou-me atenção o “Piscinão do Visconde” que se formou no Momento 24 de Janeiro, localizado às margens da BR 230, no sentido que demanda a Picos, divulgado, em vídeo, nas redes sociais.

Quis logo conferir este previsível alagamento, mas, por obrigação moral, cabia-me assistir à posse administrativa da nova Diretoria da OAB/PI, Subsecção de Oeiras, da qual o meu filho, Gérson Oeirense, é o Tesoureiro desse colegiado.

Depois do almoço, retornei à Cidade Verde. Antes fui conferir o estrago havido naquele equipamento público. Cena triste de se ver!

Desde 2014, venho me batendo sobre aquele marco levantado em reverência à data cívica que assinala a efetiva “Adesão do Piauí ao Grito do Ipiranga”, movimento emancipacionista muito bem urdido pelos nativos, sob a liderança de Manoel de Sousa Martins — Visconde da Parnaíba —, que apeou do poder os portugueses que administravam a Capitania do Piauí, sendo Oeiras sede do governo, então. Nova ordem política foi  instituída.

Depois de tantos reclamos e omissão de muitos, enfim, no dia 13.08.2021, a obra foi inaugurada, com a presença do ilustre conterrâneo Welington Dias, governador do Estado e luzida comitiva.

Mas uma iconografia referente a tal efeméride ainda não foi exposta ao distinto público. Espera-se que isto ocorra o quanto antes, inclusive por se tratar o fluente ano do Bi-Centenário da Independência do Brasil.

Salta aos olhos a necessidade de se engenhar uma pavimentação ao derredor daquele prédio de apelo turístico-cultural. Servirá de estacionamento e consequente escoamento das águas pluviais. 

Lá, existe uma rampa de acesso que serviu, ante o toró matutino, de vertedouro pelo avesso. Ante o charco constatado, as águas se direcionaram para o subsolo onde há um espaço reservado para galeria de artes.

É bem verdade que na vizinhança está sendo construído um condomínio residencial pela Invicta Incorporadora, do Grupo Engipec, que contribuiu, sobremodo, para a aludida inundação, uma vez que uma camada de areia se formou, provinda da área em tela, no meio da rua potencializando dano material (e moral).

Independentemente disso, impõe-se a adoção de obras complementares visando evitar este tipo de transtorno.

Antes de empreender viagem, fiz imagens daquele desolador cenário. Garotos banhavam naquela sazonal poça.

Lembrei-me dos mergulhos que dei no velho Riacho Mocha, judiado pela cidade ingrata.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias